#Com alta de 31%, preço do litro do leite subirá ainda mais

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Menor oferta por conta do clima e aumento de custos fizeram bebida ter escalada de valores

Santos, em sua mercearia no bairro Iguatemi: “pago R$ 2,80 e não posso vender acima de R$ 3 para não prejudicar o consumidor” (Foto: Matheus Urenha / A Cidade)

O consumidor ribeirão-pretano já paga 31% a mais pelo litro do leite, desde o iní­cio do ano. A alta acumulada é cinco vezes maior do que o teto da meta da inflação nacional, de 6,5%.

E o preço não deve ceder tão cedo segundo especialistas, porque os custos de produção continuam subindo e a oferta do produto no campo ainda deve demorar para crescer.

“Na média pago R$ 2,80 pelo litro, mas não posso vender acima de R$ 3”, diz o comerciante Gildemar Neves dos Santos, dono de mercearia no bairro Iguatemi.

De acordo com os pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP, no míªs passado o preço do litro do leite pago aos produtores do Paí­s bateu recorde.

“Contrariando as expectativas, o preço do leite pago ao produtor continuou subindo em setembro e alcançou o maior patamar real da série, iniciada em 2000. Essa foi a oitava alta consecutiva”, informa o boletim do Cepea.

Segundo o Instituto de Economia Agrí­cola do Estado de São Paulo (IEA), a baixa qualidade das pastagens com o inverno mais forte contribuiu para menor oferta do leite e as altas no mercado internacional alavancaram as cotações.

A valorização de commodities como soja, usada em rações para o gado, também contribuí­ram para a elevação nos custos da produção.

Valor vai ceder, mas não de imediato

O leite ainda deve pesar nas compras por alguns meses, segundo o economista Edgard Monforte Merlo, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão (FEA-RP/USP) e especialista em varejo.

“Com o tempo, os preços devem ceder, mas não será nada imediato nem em curto prazo”, diz.
Ainda segundo o economista, por muito tempo, a bacia leiteira sofreu com preços em baixa, o que também fez o preço cair para o consumidor. “Agora há uma retomada”, diz.

Para Merlo, como o leite é um produto essencial e que não pode ser substituí­do com facilidade, algumas medidas precisariam ser tomadas pelo governo para conter a alta.

“Como importar maior quantidade do produto, mas é preciso analisar.”

Infográficos / A Cidade

Mirá También

Así lo expresó Domingo Possetto, secretario de la seccional Rafaela, quien además, afirmó que a los productores «habitualmente los ignoran los gobiernos». Además, reconoció la labor de los empresarios de las firmas locales y aseguró que están «esperanzados» con la negociación entre SanCor y Adecoagro.

Te puede interesar

Notas
Relacionadas